Notícias - 2005
Escolha um assunto abaixo.
Adote • Artigos e EntrevistasClubesEsportivaGeralGT ItatiaiaGT RegrampeaçãoTécnicaUIAA
> Ver todas <
5/2005_Montanhistas promovem ação conjunta no Dia Internacional do Meio Ambiente
No dia cinco de junho, data em que o mundo inteiro esquece as divergências para sintonizar os problemas e questões do meio-ambiente, montanhistas brasileiros realizam um mutirão de cuidados e trabalhos em diversas montanhas, de diferentes regiões do País. Trata-se de mais uma ação nacional promovida pelo projeto "ADOTE UMA MONTANHA". Criado em São Paulo, em 2002, Ano Internacional das Montanhas, o projeto é uma das prioridades da Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME) e conta hoje com mais de 200 voluntários que atuam em 28 grupos, cuidando das áreas de montanha nos estados São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo e Santa Catarina.

Embora os trabalhos aconteçam em lugares distantes uns dos outros, a intenção é reunir as energias num mesmo objetivo e chamar a atenção para o projeto, atraindo novos participantes. Entre as atividades programadas para a data estão a recuperação e construção de trilhas, plantio de espécies nativas, controle da erosão, remoção de lixo, mitigação do impacto visual, documentação da fauna e flora e orientação de visitantes e moradores sobre o meio-ambiente. "O ADOTE, em sua essência, é uma retribuição dos montanhistas às montanhas, nossos lugares preferidos e amados", resume o coordenador, Sandro Nunes. "Na nossa vida de montanhistas e escaladores, curtimos momentos incontáveis de prazer, alegria e paz nas montanhas. É mais do que justo oferecer algo em troca".

O projeto não tem fins lucrativos. Como diz o nome, a idéia é de que cada grupo "adote", ou seja, assuma a responsabilidade de cuidar de uma montanha da sua área. Diante dos impactos ambientais causados pelo crescimento desordenado do "turismo de aventura" e pela erosão, há muito trabalho duro a encarar. O replantio é um deles, e vem sendo feito com dedicação por vários voluntários. A remoção de lixo é outra tarefa importante: para se ter um exemplo, na base de uma das vias de escalada do Pão de Açúcar (RJ), foram recolhidas por duas montanhistas nada menos do que 603 latinhas de cerveja, atiradas lá de cima por turistas. Coisas desse tipo, assim como a degradação das trilhas, mostram o desrespeito e ignorância que existe em relação ao meio-ambiente. Para tentar reverter esse quadro, os voluntários do ADOTE se empenham também em ações educativas: palestras para moradores e estudantes sobre a conduta consciente e os princípios do mínimo impacto (meio-ambiente), orientação aos visitantes, confecção e distribuição de folhetos informativos.

O ADOTE conta hoje com o patrocínio da Curtlo, marca brasileira de equipamentos esportivos. Mas há muito o que fazer e os gastos são grandes, observa Sandro Nunes. "Por isso, os montanhistas batalham para conseguir mais empresas ou pessoas interessadas em ajudar o projeto. É essencial fornecer apoio técnico, logístico, material e financeiro aos grupos participantes, estimulando-os a aprimorar e manter a continuidade das atividades".

Mais informações sobre o projeto ADOTE UMA MONTANHA podem ser encontradas aqui e nos sites da FEMERJ e da FEPAM.
Mariana Mello
4/2005_Um dia para cuidar das montanhas
Mutirões de limpeza, plantio de mudas, sinalização e manutenção de trilhas, distribuição de folhetos e palestras educativas sobre a preservação do meio-ambiente. Estas são algumas das atividades coordenadas que estarão acontecendo em diversos pontos do País no próximo sábado, 09 de abril, data escolhida para a Abertura de Temporada do Projeto ADOTE UMA MONTANHA. "A idéia é que esse tipo de ação nacional chame a atenção da mídia e dê maior visibilidade ao nosso projeto, atraindo novos voluntários", diz o coordenador, Sandro Nunes. Administrado pela Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME), o ADOTE UMA MONTANHA já conta com a participação de 25 grupos de trabalho, dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais e Espírito Santo - e aguarda ainda este semestre a entrada de participantes do Ceará e da Bahia. O projeto conta também com o patrocínio da Curtlo, marca brasileira de equipamentos esportivos. A meta é a "adoção" de áreas de montanha de cada região - o que significa cuidar da sua preservação, em todos os sentidos, por um período determinado de tempo.

Trabalho é o que não falta. O crescimento do ecoturismo e do chamado "turismo de aventura" tem levado um número cada vez maior de visitantes às áreas preservadas, em busca de lazer e de um sem número de atividades esportivas. A desinformação e a falta de cuidado para com a natureza provocam graves impactos ecológicos, com a degradação do solo e da vegetação, acúmulo de lixo, poluição das águas. Por essa razão, além do trabalho braçal nos mutirões de limpeza, replantio e recuperação das áreas danificadas, os participantes do projeto se empenham também em ações educativas. Entram aí a confecção e distribuição de material informativo, palestras para moradores e estudantes, orientação aos visitantes.

Entre as atividades planejadas para o dia da abertura da temporada estão, por exemplo, programações intensas em montanhas de Minas Gerais como a do Circuito Serras Verdes em Serra do Lopo, Extrema; a Associação Fernão Dias de Montanhismo, na Pedra do Itacolomi; o grupo Escalada das Minas na Pedra Branca. Em São Paulo, entra em ação o grupo CAT, na Serra da Cantareira; a Associação da Montanha vai cuidar de Guaraiuva, Visual e Pedra Branca (Bragança Paulista). A Associação Capixaba de Escalada vai se encarregar do Morro do Moreno, em Vila Velha. Os Picos Itapiroca, Paraná e Caratuva, no Paraná, ganham os cuidados do grupo Nas Nuvens Montanhismo. No Rio de Janeiro, onde vários grupos desenvolvem trabalhos, o mutirão será no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, porém no dia 22, já que haverá também a Abertura de Temporada dos Parques Três Picos e PNSO.

Como ressalta o coordenador Sandro Nunes, a decisão de promover uma Abertura de Temporada não quer dizer que os trabalhos do ADOTE UMA MONTANHA só comecem agora, ou se limitem à data. "O importante é reunir simbolicamente os participantes num mesmo dia, concentrando as suas energias no projeto", comenta. Que esse gesto faça eco entre os montanhistas e os amantes da natureza, ampliando os trabalhos por todo o nosso imenso Brasil.
Marina Mello
3/2005_O Projeto Adote uma Montanha
O Projeto Adote uma Montanha é uma iniciativa de montanhistas de todo o Brasil para proteger e preservar nossos ambientes de montanha. O projeto foi criado pela FEMESP - Federação de Montanhismo do Estado de São Paulo e atualmente é suportado pela CBME - Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada.

Em 2004 o projeto cresceu muito, saindo da esfera de São Paulo (onde nasceu) e abrangendo vários outros estados. Hoje contamos com a participação de mais de 20 grupos de montanhistas de SC, PR, SP, MG, RJ e ES, e temos perspectiva de receber grupos da BA e CE também.
Um de nossos principais problemas sempre foi a falta de RECURSOS HUMANOS (pessoas, voluntários, para ajudar...) para atuar nas áreas com problemas. Por isto, este ano estamos planejando uma campanha de marketing voltada ao público que gosta e visita ambientes de montanha, incentivando a participação das pessoas em ações voluntárias de preservação. A campanha inicialmente contará com banners em lojas de equipamentos e ginásios de escalada indoor, locais que recebem o público que buscamos atingir. Posteriormente, esperamos poder contar com peças publicitárias para revistas e sites especializados.

Em 09/04/05 faremos uma ação nacional (quarto ano consecutivo) em todas as áreas adotadas. Os grupos realizarão mutirões de limpeza, passeios com crianças de escolas públicas locais, ações de divulgação e conscientização dos princípios de mínimo impacto em ambientes naturais, entre outros.

Matérias em jornais, revistas e sites sobre o assunto ajudariam muito levar o assunto à tona, e mostrar a importância de cuidarmos de nosso meio ambiente.

Esperamos poder contar com vocês para nos ajudarem a manter nossos ambientes de montanha preservados para as futuras gerações! Estaremos à disposição para atendê-los no que for necessário, dando subsídios (inclusive material fotográfico) para futuras matérias, bem como o encaminhamento ao presidente da FEMESP e CBME, Silvério Nery e para o Coordenador do Projeto, Sandro Nunes.

Vale ressaltar que todo o trabalho realizado pelo grupo de coordenação e grupos participantes do ADOTE é totalmente voluntário e sem fins lucrativos.