Federação de Montanhismo do Estado de São Paulo

Matriz de avaliação de impactos ambientais para conservação populacional da Amarilis na Serra da Mantiqueira

EIXO TEMÁTICO: Recursos Naturais
FORMA DE APRESENTAÇÃO: Resultado de Pesquisa

UTILIZAÇÃO DE MATRIZ DE AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS PARA CONSERVAÇÃO POPULACIONAL DA AMARILIS NA SERRA DA MANTIQUEIRA

  1. Agatha Matarazzo
  2. Cleber Vinícius Vitorio Silva
  3. Alexandre Fraga
  4. Rodrigo Polisel
  5. Lucas Nogueira Gonçalves

Resumo

As espécies ameaçadas de extinção hippeastrum psittacium (ker gawwl.)herb. e hippeastrum morelianum lem., popularmente conhecidas como amarílis observadas por montanhistas e moradores locais nas montanhas na serra da mantiqueira, estão expostas a impactos antrópicos no referido ecossistema. Este trabalho teve como objetivo o levantamento dos principais impactos sobre estas populações e o levantamento das principais medidas mitigadoras para controle dos mesmos.

Palavras Chave: Amarílis; Conservação; Serra da Mantiqueira.

INTRODUÇÃO

Os impactos antrópicos na Serra da Mantiqueira tornam-se significativos, pois a mesma possui diversidade de espécies endêmicas e ecossistemas e espécies ameaçadas de extinção (Fialho, T; Andrade, A., 2011). As formações fisionômicas campos de altitude encontram-se em altitudes acima de 1700m e também em altitudes inferiores aos 1500m no maciço da Serra Fina em São Paulo e Minas Gerais, ocorrendo em áreas
abertas nos topos rochosos, nas cristas e platôs da Serra da Mantiqueira, abrigando muitas espécies ameaçadas de extinção (Fialho, T; Andrade, A., 2011).


  1. Bióloga, especialista em Gestão Ambiental, Instituto ECODAN, São Bernardo do Campo – SP, [email protected]
  2. Engenheiro Florestal, Mestre em Ciências Ambientais e Florestais, Helium Corporatiom Engenharia,
  3. Seropédica – RJ, [email protected]
  4. Arquiteto, Engenheiro Ambiental, Instituto ECODAN, São Bernardo do Campo – SP, [email protected]
  5. Biólogo, Mestre e Doutor em Botânica, eFlora, Brasil Bioma Estudos Ambientais, Juquitiba – SP, [email protected]
  6. Biólogo, São Paulo – SP, [email protected]

A sua face paulista da Serra da Mantiqueira encontra-se em um maciço montanhoso na direção NE/SW localizado na região leste do Estado de São Paulo. Tal cadeia montanhosa abrange os Municípios de Guaratinguetá, Piquete e Cruzeiro sendo representados pelo Pico dos Marins (2421m) e Pico do Itaguaré (2308m), Lavrinhas e Queluz representados pelos Picos do Capim Amarelo (2491m), Cupim de Boi (2530m)
e Pico dos Três Estados (2656m) (Fialho, T; Andrade, A., 2011).
Por ter uma rica flora e adaptações seletivas às condições climáticas e pedológicas, a flora dos campos de altitude é bem singular, possuindo em sua comunidade espécies incomuns e raras, assim como a Hippeastrum psittacium (Ker Gawwl.)Herb. e Hippeastrum morelianum Lem., popularmente conhecidas como amarílis, a possui status de conservação vulnerável (VU), na lista nacional, IUCN (International Union for Conservation of Nature) e alta para o estado de São Paulo, a amarílis tem potencial valor no mercado horticultor como planta ornamental. Apresenta potencial uso farmacológico, uma vez que, como muitas outras representantes da
família Amaryllidaceae, possui alcaloides isolados com atividades verificadas.

Voltar ao topo